domingo, 14 de dezembro de 2014

Como você consegue amar e repudiar o mesmo corpo?
Como consegue abusar e depois esquecer
Se mal dizer?
Como você consegue fazer?
Noites de amor
amor realmente amor
próprios sentimentos e movimentos
Dias se mal dizendo
Lastimando
Tudo continua passando
E você lamentando pelos cantos
Sentimentos opostos
conflitantes
pra uma mera iniciante como eu
Não consigo lidar,
"Os opostos se distraem"
Mas eu cansei de me distrair
E não consigo seguir com quem odeia me amar.

domingo, 30 de novembro de 2014

Confunda
Cor funda
Corcunda
Com suma
Consuma
Construa
Com tua
Consciência
Com ciência
Com fluência
Competência

Domingo
Sozinha
Escuro
Música
Alta
Calma
Chuva
Choro
Sofro.
Foda-se!

quinta-feira, 13 de novembro de 2014

Arrependida despedida:

Desculpa.
Adeus

Eu tenho que mudar por você
Abrir mão de mim pra viver o teu querer?
Você acha justo comigo?
Você acha justo contigo?
Viver com você
não pra você.

Repito no tema
Avanço no tempo
Resolvo o problema
No fim sempre venço.
Lutar pra conseguir
Me esforço pra vencer
Descanso um pouquim
Pro resto proceder.
A rima flui
Quando ver já fui
Não espero carinho
Tô sempre seguindo
Adiante, avante!

terça-feira, 4 de novembro de 2014

Obrigada por você
me fazer crer
que é possível fazer
aquilo que a gente crer
acontecer.
Eu e os besouros
nas noites de choro
no silêncio da noite ouço um zunido
não é mosquito
é outro besouro .

sexta-feira, 31 de outubro de 2014

Sou mulher e tenho minhas vontades
Tem dia que quero sexo, tem dia que quero abraço
Quem sabe uma conversa
Conhecer alguém que me interessa
Tem dias que quero nada, tem dias que quero tudo
E quem sabe mais um pouco
Mais do mundo.
Ir a fundo
Sou mulher.

segunda-feira, 23 de junho de 2014

Por muito tempo guardei tudo
Os toques, os segredos, a tortura
Contei pra minha irmã: "Não conta pra ninguém, você jura?"
Me sentia culpada
Me diziam que eu era a culpada. Por quê?
Por que até você?
Violentada.
Tios, padrasto, pai
"Sai! Por favor sai de cima de mim"
Mãe, me perdoa
Não sei porque comigo foi assim
Mãe, me perdoa
Não quero que você sofra
Mãe, me desculpa
Eles diziam que era minha culpa.
 Abuso!
Isso o tempo não vai curar,
A dor, as lembranças nunca vão passar.
Mãe, me desculpa por não te contar
Tive medo de falar

A mão que uso pra fazer os deveres da escola
Uso para pedir esmola
Uso minha voz para fazer pedidos
Eu e um monte de meninos perdidos,
Sofridos.
Já usei de tudo, já sofri de tudo.
Abuso, ataque,  furto, crack, prisão, cocaína, discriminação
E algumas vezes heroína
Mas não tinha condições de pagar
Tive que parar pra poder continuar.
Já fui abandonado, espancado, estuprado, viciado
Hoje eu sou determinado.
Antes me sentia o menino certo pra uma vida errada
Queria tudo com o nada
Hoje as pessoas me fazem sentir o menino errado pra uma vida certa
A dificuldade aperta
Mas com a mesma capacidade que enfrento os dias duros
Vou enfrentar meu futuro.

sábado, 10 de maio de 2014

Ela me largou.
Me largou porque queria viver com o vento,
Com a água, com o mar.
Me largou porque cansou de me amar
Não dava mais pra levar.
Disse que cansou de morrer de amores
Ia viver com as flores
Ela me deixou.
Se foi com suas dores, seus pudores
Tirou de mim seus olhares, seu sorriso
Me tirou o paraíso.
Ela se foi com a nossa esperança,
Com a minha confiança
Me deixou apenas lembranças.
Ela sabia que detesto mudanças.
Arruma o cabelo,
arruma a postura,
se olha no espelho
assume sua altura!
Quando o amor some, ele vai pra onde?
Ele vai pros mares, pros bares,
Pelos ares
Ele vai pro sul, pro norte
Ele vai pras minhas coxas, pra minha barriga
Pros ouvidos de minha amiga.
Não sei se está longe ou ainda está perto.
Desejo que vá pro inferno
O que fez comigo não é certo







quinta-feira, 1 de maio de 2014

Por mais quanto tempo vou ter que esperar?
Sério, quanto tempo vai demorar pra você vir conversar?
Não quero te pressionar mas é que...
Tô louca pra te arrancar a roupa
Sem pressão
Ou com pressão
Com muita pressão!
Você não tem noção do meu tesão por você
Na real, eu quero meter
Trepar, foder
Eu quero gozar, chupar
Piro só de pensar!
Vem logo
não aguento mais esperar

sexta-feira, 28 de março de 2014

História, escória, sofrimento, ação do tempo. 
História, miséria, caso sério, alimento, mantimento 
pra quem não tem pagamento. 
Condição
Discriminação
Abolição da escravatura?
Aqui a vida é dura
Favela, algumas casas sem janela
Acabou a luz? Tranca as portas e enxerga à luz de vela
Que aqui não é igual novela
Tem que ficar atento
Se neguim chegar não vai ter argumento. 
É tiro, porrada, facada
É nessa hora que falta camarada. 
Assassinato coletivo. 
Morreu mais um jovem
Filho de mãe pobre 
Que acorda 5:30 da manhã pra pegar o coletivo lotado
Enfrenta trânsito engarrafado
Pra ganhar menos de um salário 
 Não passou no jornal, não querem dar ibope
"Era caso de droga, chamaram o bope
É só mais um negro pobre."

sábado, 8 de março de 2014

Tomei um copo de whisky pra te afogar
Acendi um cigarro pra te apagar
De uma vez
De mim
Pôr um fim
Não foi tão fácil assim.

quinta-feira, 6 de março de 2014

Fobia.
Enquanto acaricio,
Enquanto aprecio,
Enquanto amo quem está do meu lado
Eles não deixam barato
Olham,
Gritam,
Xingam.
É lesbofobia
E ninguém faz nada para ajudar
Estou sendo atacada
E meu bem está começando a se desesperar
É lesbofobia
Afetofobia
Amorfobia
Enquanto me batem por causa dos seus preconceitos
Grito SOQUEM NO CU SEUS PRÉ-CONCEITOS!
Enquanto me espancam em nome da moral e bons costumes
Digo que estão com ciúmes,
Inveja.
Não sabem o que é amor.
Balbucio um "parem, por favor
Vou desmaiar
Não tenho culpa de amar"
E enquanto desmaio
Elesfobiam.

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

é verdade o que me disse outro dia. você se lembra? aquele negócio de que ninguém quer ser amigo de um solitário, sabe? então. as pessoas se assustam, acham estranho essa coisa de ter amigos imaginários quando já alcançou a fase adulta. mas não tenho outra alternativa, é o que me resta. eles se assustam com meus amigos imaginários e meus amigos imaginários se assustam com eles. uma sustança que só!
é muito verdade o que me disse na última ligação, "a solidão faz as pessoas se conhecerem melhor." é... e conhecer os outros também. enquanto estão se divertindo uns com os outros eu observo, observo e observo. só observo e continuo só.

segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

Minha boceta é ideológica

Presta atenção,
Sem palavrão não tem diálogo
Dou meu cu, minha boceta, meu amor pra quem eu bem entender
Me dou pra quem quiser me comer
Me dou pra quem eu quiser.
Presta atenção, meu corpo é inviolável
Não sou puta por me dar
Me doar
Não me importo com seus comentários
A ignorância é lamentável.
E sim, sua oferta é bastante recusável.
Meu corpo não é bagunça
Me desculpe mas minha boceta não é solidária
Eu não estou tão solitária
Pra trepar com otários.



domingo, 16 de fevereiro de 2014

Sou poeta de sofá
Faço poesia com o mar, o ar, o verbo amar
Vejo poesia em todo lugar
Sou poeta e isso não dá pra mudar
Sou poeta de sofá
Faço poesia pra ajudar, pra melhorar, pra encantar
Escrevo pra não ter que falar
E saiba desde já,
Pela arte vou lutar.
Sou poeta, vivo poesia e nem todos vão gostar.
Era linda quando fumava
Que cigarro sortudo, estava em sua boca e de lembrança levava o seu batom
Era linda quando estava brava
Gritava, berrava, se trancava em si
Era linda quando estava magoada
Chorava e enxugava as lágrimas em seu moletom
Era linda quando era ela
Sorria, chorava, falava
Era linda quando estava aqui
Era lindo quando eu sabia que você não iria partir
Ah, que saudade de você, Gabriela!
Não vai embora
Não agora
Fique mais um pouco, rapaz
Uma semana, um mês, um ano ou mais
Tanto faz.
Senta aí
Fuma um cigarro e bebe um café
Espalha teu sorriso por cada canto
Que eu quero tanto
Te fazer um cafuné.

segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

-Tô cansado de perambular pelos contos.
-Cantos.
-Oi?
-Você quis dizer cantos.
- Não, quis dizer contos mesmo. Tô cansado.
-É o peso da idade, a velhice chegando.
-É a falta de paciência pra gente chata e para escrita mal feita. O desgosto de estar em uma história boa e só fazer merda ou estar em uma história merda e continuar fazendo merda, de me intrometer em contos alheios sem ser convidado, de mocinhas e putas todas afogadas em exageros contados. Contos! Tantos e nenhum conto no meu bolso.
-Entre em poesias, conheça um novo espaço. Não seja só o personagem, vire também a rima!
-Talvez depois, meu jovem. Hoje estou cansado.

domingo, 12 de janeiro de 2014

Estou presa no quarto
E com calor
Estou presa a você
E com pavor
Me deixe sair
Por favor